15
Jan 10
Por

Cecília Meireles Graça

, às 12:19 |

O Primeiro-Ministro manifestou-se mais uma vez contra quaisquer alterações ao PEC esta manhã no Parlamento. Foi até mais longe, ao afirmar que Portugal seria imediatamente penalizado pelas agências de rating caso decidisse  de algum modo aliviar a carga fiscal.

Ficamos portanto a saber que, para o Governo, o caminho para a credibilidade financeira e para a consolidação das contas públicas definitivamente não passa  pela diminuição da despesa. Passa sim pelo aumento da receita, em particular através de manter inalterado o pagamento especial por conta de um imposto que nem sequer se sabe se algum dia será devido!

Não oferecendo esta posição do Governo grande esperança para o futuro da economia real, tem pelo menos uma vantagem: torna claro que há uma divergência de fundo entre aqueles que acham que o motor da economia é o investimento público (que necessariamente tem que ser pago com impostos ou com dívidas), e aqueles que, como eu, acreditam  que Portugal só vai arrancar quando apostar no investimento privado, deixando-o respirar sem as amarras fiscais que o têm asfixiado nos últimos anos.


De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres




Na última fila da bancada do CDS-PP sentaram-se no primeiro dia, por acaso ou providência, os quatro deputados mais novos da bancada. Juntam-se virtualmente neste espaço para continuar as discussões após o fim dos trabalhos. Junte-se, leia e debata as opiniões dos deputados… Da última fila.
Autores
Cecília Meireles Graça
Filipe Lobo d´Ávila
João Pinho de Almeida
Michael Seufert
Arquivos
Pesquisar
 
Subscrever feeds