10
Nov 10
Por

Michael Seufert

, às 18:19 |

Ainda há pouco, Teixeira dos Santos se congratulava que a emissão de obrigações do tesouro tinha corrido bem até porque a procura tinha superado a oferta das mesmas. Como acredito que o ministro sabe como funcionam os leilões destas obrigações (ao contrário dos jornalistas que fazem eco desta afirmação para insistirem que "correu bem o leilão"), só posso lamentar a desonestidade com que apresenta os factos aos portugueses.

É que quando Portugal anuncia que quer colocar determinado valor de emissões no mercado, os potenciais compradores colocam os seus pedidos à taxa que lhes parece mais justa. Portugal depois vende a quem oferece as taxas mais baixas, preenchendo todo o montante em blocos de oferta com as taxas o mais baixo possíveis (isto porque "o mercado" oferece taxas para determinado valor de obrigações - 100 milhões à taxa x, 150 milhões à taxa y, 50 milhões à taxa z, etc). Quando por isso se diz que a procura foi muito alta, não vale esquecer que essa procura não-satisfeita era a taxas de juro ainda mais altas que as que se obtiveram.

No fundo Teixeira dos Santos congratula-se de ter vendido um carro a 20mil euros, e que não não faltavam mais 100 potenciais compradores. Esses, claro está, ofereciam todos menos do 20mil euros, mas isso "faz de conta"...


De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres




Na última fila da bancada do CDS-PP sentaram-se no primeiro dia, por acaso ou providência, os quatro deputados mais novos da bancada. Juntam-se virtualmente neste espaço para continuar as discussões após o fim dos trabalhos. Junte-se, leia e debata as opiniões dos deputados… Da última fila.
Autores
Cecília Meireles Graça
Filipe Lobo d´Ávila
João Pinho de Almeida
Michael Seufert
Arquivos
Pesquisar
 
Subscrever feeds